VOCÊ ESTÁ EM:

A ORIGEM E CLASSIFICAÇÃO DOS PEIXES

Entenda sobre a origem e a classificação dos peixes neste post. Aqui vamos abordar suas principais características e como eles se desenvolveram ao longo do tempo.

 

O pescado se tornou uma das principais fontes de renda de alguns povos, e capaz de movimentar uma economia local de uma forma bem expressiva. Hoje consumimos peixes que são entregues a nós pelos distribuidores que negociam a mercadoria com diferentes regiões do país.

 

Segundo dados da Associação brasileira de Piscicultura, no ano de 2020 o mercado brasileiro produziu mais de 800 toneladas de peixe para fins comerciais, movimentando cerca de 8 bilhões de reais.

 

Hoje, com os estudos científicos focados na área, sabemos o quão nutritivo o peixe é para nosso organismo. Entre os principais nutrientes, estão: ômega 3, proteína, cálcio, potássio, vitamina A e B12.

 

            E quando surgiu os primeiros peixes?

 

Os historiadores apontam para o surgimento dos primeiros animais aquáticos no período conhecido como Cambriano, a cerca de 510 milhões de anos atrás.

 

Analisando alguns fosseis encontrados, percebe-se que eles possuíam uma característica parasita, se alojavam no corpo da presa e sugava todo os fluidos do corpo parasitado.

 

Eram constituídos de cartilagem, e com a evolução ganharam mandíbulas que serviam para agarrar e comer a presa.

 

            As principais classificações

 

A partir daí os peixes se dividiram em duas classificações diferentes:

  • Chondrichthyes
  • Osteichthyes

 

Os peixes da era cambriana encaixam na primeira classe conhecida como Chondrichthyes, que tem como característica a cartilagem pelo corpo, sem presença de estrutura óssea. São geralmente encontrados em ambientes marinhos, como exemplo os tubarões, quimeras e arraias.

 

Já os peixes da classe osteichthyes, se caracterizam pela presença de ossos no seu esqueleto. Peixes comuns em água doce.

 

É claro que, dentro dessas classificações, existem outras inúmeras características e hábitos que os dividem em subgrupos. Existem os peixes de superfície, meia-água e fundo.

 

Isso influencia muito na hora da pesca. Para cada tipo de hábito, existe um equipamento diferente para ser usado na hora de pescar.

 

Dentro da água, como foi citado a cima, os peixes podem ser categorizados a partir do nível de profundidade em que nadam. E isso é levado em consideração na fabricação das iscas artificiais.

 

O ponto principal da isca é chamar a atenção do peixe, pelos sons que ela produz e pelo movimento. Por isso, as cores das iscas são pensadas de forma estratégica levando em consideração a coloração da água e a profundidade em que seu exemplar está.

 

As técnicas de movimento da vara, também se baseiam nesse princípio. O peixe tem que entender que a isca é uma presa fácil e “desatenta”, para poder ataca-la. E cada exemplar tem uma maneira de analisar isso.

 

O tipo de movimento que a isca vai fazer é pensado para o tipo de peixe que pretende capturar.

 

Levando todos esses fatores em consideração, você já pode entrar em nosso site, e completar sua tralha com os diferentes modelos de isca que temos disponível, para sempre estar preparado para tirar aquele exemplar da água. Confira, clicando nos links abaixo:

 

NOVIDADES NO BLOG